O gestor hospitalar moderno sabe que dificilmente terá êxito em suas responsabilidades se não investir em ações de planejamento e gestão em saúde. Afinal, a concorrência atual no setor é muito alta, os custos são caros e há inúmeros fatores influenciando a rentabilidade da instituição.

Por isso, é muito importante atuar da maneira mais profissional possível, empregando metodologias e ferramentas que impulsionem o hospital para os próximos níveis, preservando as margens de lucro sem que haja perda na qualidade do atendimento.

No artigo de hoje, você poderá conferir algumas práticas que tornarão o seu processo de gerenciamento muito mais efetivo. Interessado? Continue a leitura!

Por que fazer um planejamento?

O dia a dia de um hospital é naturalmente complexo. Há um número muito grande de envolvidos nas atividades e vários recursos de todos os tipos que precisam estar disponíveis para garantir a atenção e o cuidado aos pacientes — além, é claro, da preocupação contínua com o bem-estar dessas pessoas.

Sabemos que é difícil ter sucesso em qualquer atividade profissional sem um mínimo de preparação, mas quando falamos da área médica, o planejamento é mesmo essencial. Isso porque, em uma unidade de saúde, a taxa de erros precisa sempre ser a mais próxima possível de zero. Afinal, além de prejuízos financeiros, falhas aqui podem ser nocivas à saúde dos pacientes.

Em virtude disso, um hospital jamais será apenas um amontado de médicos e enfermeiros trabalhando para cuidar de pessoas, simplesmente guiados por instintos ou percepções.

São vários processos envolvidos aqui, desde o cadastro do paciente — que é fundamental na identificação da sua condição atual e pregressa, além de permitir o contato com seus familiares — passando por questões financeiras, que permitem à instituição investir, por exemplo, em melhores equipamentos — até o estabelecimento de horários em que cada profissional ficará disponível para atuar atendendo as pessoas. Tudo isso só pode acontecer se houver planejamento.

O planejamento é crucial para atingir metas

Quando evolui no sentido da maturidade gerencial, o hospital começa a estabelecer objetivos e transformá-los em metas. No início, geralmente se aborda apenas os desafios para a instituição como um todo; mas à medida que esse conhecimento se torna mais sólido, é possível estabelecer o que se espera em cada uma das atividades realizadas.

Nesse sentido, sem um planejamento bem elaborado não há como ser eficiente na execução dos projetos e rotinas. Apenas quando se tem um plano cuidadoso é que os diretores e líderes da instituição podem se preparar para o que precisará ser feito no futuro, de curto ou longo prazo, tomando decisões que influenciam diretamente a capacidade de atendimento e a sua qualidade.

Ao saber exatamente o que precisa ser feito, os colaboradores se motivam, pois ficam cientes de como podem contribuir com o sucesso da organização. Cada um passa a reconhecer a própria importância e a própria influência no trabalho dos demais — uma excelente forma de motivar e engajar esses funcionários para que possam trabalhar melhor e mais satisfeitos.

Além disso, com o foco voltado à melhoria da qualidade de cada uma das atividades, o resultado certamente trará benefícios a todos, podendo elevar o hospital ao nível de excelência no atendimento.

Então, como fazer um planejamento excelente?

Bom, sabendo que planejamento e gestão em saúde são fundamentais para garantir que tudo aconteça da forma esperada e aumentar as possibilidades de sucesso do hospital, é natural que o gestor haja buscando implementar esses processos. Porém, não basta boa intenção. É preciso análise, conhecimentos técnicos e envolvimento direto daqueles que comandam a instituição para que tudo dê certo.

Por isso, veremos agora algumas boas práticas para que os seus planos sejam mesmo efetivos e consigam ajudar, de fato, a sua unidade.

1. Crie a identidade organizacional

Uma etapa fundamental para que haja um planejamento eficiente é a definição da missão, da visão e dos valores da sua instituição.

Basicamente, a missão é a razão de existir, a visão é aonde se quer chegar e os valores são os preceitos que norteiam as atividades, sem os quais não faz sentido seguir adiante. Sem que isso esteja estabelecido, os responsáveis pela construção dos planos não têm embasamento para determinar quando algo é bom ou ruim.

É por meio dessa identidade organizacional que se pode saber se os proprietários e mantenedores da instituição desejam expandir suas operações, se querem focar em apenas alguns nichos de atendimento, se querem fazer filantropia etc. Do contrário, a execução das atividades no dia a dia pode levar o hospital para um caminho diferente daquele que deveria ter sido.

2. Determine metas inteligentes

Algo muito interessante na cultura gerencial é que não basta estabelecer metas para que tudo se resolva como num passe de mágica. Em outras palavras, não é porque há um objetivo determinado para um processo ou função que o seu sucesso será garantido — até porque nem sempre isso é feito da melhor maneira.

É preciso partir da visão de longo prazo da instituição e determinar objetivos anuais. Depois, desdobrar isso nas metas de cada área de forma alinhada, para que todos possam, realmente, contribuir com o alcance do nível que se deseja para o hospital.

Também é fundamental que se acompanhe as metas durante esse período. Assim, pode-se agir corretivamente caso algo esteja saindo errado.

3. Estabeleça um plano de ação

Uma meta no papel pode ser muito bonita e promissora, mas ainda será apenas uma meta no papel. Para executar o que precisa ser feito é preciso estabelecer um plano de ação, nomeando responsáveis em cada atividade e explicando-lhes como elas devem ser feitas e por quê.

Esse documento também deve estabelecer os prazos para a execução de cada ação, de forma que o gestor saiba sempre como está o seu andamento e se o que foi determinado está mesmo fazendo com que as pessoas e os processos atingiam o nível que se espera deles.

4. Invista em software de gestão hospitalar

Sem dúvida, a tecnologia é uma grande aliada em planejamento e gestão em saúde. Lidamos hoje com um número imenso de informações e temos processos informatizados, que diminuem erros humanos e aumentam a nossa capacidade de identificar padrões e melhorar a eficácia dos procedimentos. Em suma, há sistemas que nos auxiliam em, praticamente, todas as atividades de um hospital.

Uma delas é o agendamento de cirurgias. Por meio de uma plataforma orientada a essa finalidade, é possível reduzir as burocracias em relação aos pedidos e colocar todos os envolvidos (médicos, pacientes, funcionários administrativos e operadoras de saúde) juntos, em um mesmo ambiente on-line, facilitando a comunicação e tornando todo o processo muito mais transparente.

Ao investir nessas práticas, a sua instituição só tem a ganhar. Será perceptível o aumento da capacidade de otimizar recursos e do faturamento, ao mesmo tempo em que se observa a melhoria na qualidade e o crescimento da satisfação dos pacientes. Especialmente quanto ao planejamento e gestão em saúde — que, como vimos, são de extrema importância para todo hospital que deseja alcançar o sucesso.

Então, gostou da leitura? Agora que você já conhece mais a respeito da gestão em saúde, que tal conferir também como evitar os erros na autorização de cirurgias?

Powered by Rock Convert